quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Procurado pela polícia


Há 100 anos, por esses dias em Bruxelas, a polícia andou à procura do Pe. Dehon para o prender por ter socorrido desertores e foragidos procurados pelas autoridades, em plena II Guerra Mundial, mas o presumível responsável já estava longe… (Cf. NQ 41-42)

Depois de várias tentativas, finalmente o Pe. Dehon, com quase 75 anos de idade, conseguiu deixar o exílio de Bruxelas com destino a Roma. Foi o Papa Bento XV, seu grande amigo de longa data, que através dos meios diplomáticos lhe proporcionou tal preciosa oportunidade chamando-o ao Vaticano.
Partiu de comboio às 17H00 do dia 13 de dezembro de 1917. Passando pelo Luxemburgo, Estrasburgo e Friburgo, só chegou a Paris a 20 onde passou o Natal.
Depois de uma semana à espera de passaporte partiu de Paris para chegar a Roma na tarde do último dia do ano, a tempo de cantar o Te Deum.

A polícia procurou o Pe. Dehon como se ele fosse um criminoso… só por ter, supostamente, ajudado o próximo durante os tristes dias da guerra.
É caso para aplicar a expressão de um outro João, neste caso bem português, São João de Brito:
Quando a culpa é virtude, o padecer é glória!

As muralhas e as fronteiras não chegam ao céu… por isso o Pe. Dehon ajudou sem olhar a quem… O maior de todos é aquele que mais ajuda! É por isso que o fundador foi um grande homem e um homem grande.
Ele dizia: “Não haja divisões entre nós. Amemos todas as nações… Não haverá nações no céu.” (Cf. Souvenirs)

Aquando da sua primeira profissão, em 1878, o Pe. Dehon tinha acrescentado aos três conselhos evangélicos o seu voto de vítima. Este episódio vem provar uma vez mais que esse voto foi aceite por Deus…





















Pe. Dehon aos 75 anos, durante a II Guerra Mundial

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Ser transparente


Memória de Nossa Senhora de Guadalupe

Num sábado, no ano de 1531, a Virgem Santíssima apareceu a um indígena que, de seu lugarejo, caminhava para a cidade do México a fim de participar da catequese e da Santa Missa...
O grande milagre de Nossa Senhora de Guadalupe é a sua própria imagem. O tecido, feito de cacto, não dura mais de 20 anos e este já dura há mais de quatro séculos e meio. Durante 16 anos, a tela esteve totalmente desprotegida, sendo que a imagem nunca foi retocada e até hoje os peritos em pintura e química não encontraram na tela nenhum sinal de corrupção. 

Disse o Papa Bento XIV, em 1754 acerca da figura de Nossa Senhora de Guadalupe:
"Nela tudo é milagroso: uma Imagem que provém de flores colhidas num terreno totalmente estéril, no qual só podem crescer espinheiros... uma Imagem estampada numa tela tão rala que através dela pode se enxergar o povo e a nave da Igreja... Deus não agiu assim com nenhuma outra nação.

Já alguém disse que os santos são as figuras que deixam passar a luz…isto é, através deles nós vemos a luz divina.
A Senhora de Guadalupe é a figura que deixa ver a comunidade, o povo de Deus.

Que a Senhora de Guadalupe nos ajude a ser também transparentes: a deixar passar para Deus a imagem do povo e da comunidade que somos, e deixar passar para o povo a imagem do Deus em quem acreditamos.

Deus através da Virgem de Guadalupe vê o povo e cada um de nós.
Nós, através dela, vemos a Deus e o povo.


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

A minha enxerga


2ª feira – II semana do advento

A)
A minha pregação

- Toma a tua enxerga e vai para casa.
Enxerga é catre, cama, leito.
Para o paralítico enxerga era tudo o que o prendia, física e espiritualmente, e que o não deixava andar ou progredir (paralisia e pecados).
Depois do perdão e da cura Jesus aconselha-o a tomar a sua enxerga e a ir para casa.
Quer dizer que Deus não quer apagar o passado, nem quer que o homem apague. Quer apenas que fique onde deve ficar: atrás das costas…
Para nós enxerga é também tudo aquilo que nos prende e nos paralisa.
Jesus diz-nos também:
- Os teus pecados estão perdoados… Toma isso como passado e vai.
Nós não devemos nem podemos apagar o nosso passado.
O nosso passado está perdoado, mas não deixa de fazer parte da nossa vida.
Já não nos prende…
Ao carregarmos esse passado (essa enxerga) é uma lembrança das maravilhas do perdão de Deus.
Ao vermos atrás das costas o que nos prendia, lembrar-nos-emos de dar glória a Deus… e cheios de temor diremos nós também:
- Hoje vimos maravilhas.

B)
A pregação de Santo Ambrósio (+397), Bispo de Milão e Doutor da Igreja

Vendo Jesus a fé daqueles homens, disse ao paralítico:
- Os teus pecados estão perdoados.
Como é grande o Senhor!
Por causa de uns, perdoa aos outros; de uns recebe a oração, a outros perdoa os pecados.
Quem julga, pois, que aprenda a perdoar; e quem estiver doente, a suplicar.
E se não esperais o perdão imediato das faltas graves, recorrei a intercessores, recorrei à Igreja, que rezará por vós, e, em consideração a ela, o Senhor vos concederá o perdão que podia ter-vos recusado.
Não negamos a realidade histórica da cura do paralítico, apenas queremos aqui realçar sobretudo a sua cura interior, por causa dos pecados que lhe foram perdoados.
Que é mais fácil? Dizer ao paralítico os teus pecados estão perdoados, ou dizer Levanta-te, pega no teu catre e anda?
E assim faz-lhes ver a imagem completa da Ressurreição, uma vez que, ao curar as feridas do corpo e da alma é o homem todo que fica curado.




domingo, 10 de dezembro de 2017

Imperativos





















Ano B – II domingo Comum

Advento é o tempo dos IMPERATIVOS
Imperativo é o modo verbal que exprime uma ordem, exortação ou pedido.

Quais são os imperativos do advento?

Imperativo de nós para Deus:
VINDE!
É o que repetimos vezes sem conta durante este tempo.

Imperativos de Deus para nós:
VIGIAI
PREPARAI
ALEGRAI-VOS
ACOLHEI
São autênticas vozes de comando para quem está na estrada e precisa avançar.

Depois deste tempo de imperativos chegará o tempo dos VOTOS, das Boas Festas, do Feliz Natal.




sábado, 9 de dezembro de 2017

Preparai-vos





















Ano B - II Domingo do Advento

Desta vez a minha reflexão não é sobre Preparai o caminho, mas sim Preparai-vos para o Caminho.
Explico:

Preparai o caminho do Senhor
         A atenção cai sobre o exterior, o caminho.

Preparai-vos para o caminho do Senhor
         A atenção recai na pessoa, no caminhante.

Afinal, o que o Senhor quer é que o caminhante esteja bem preparado, porque “o caminho faz-se caminhando”.


sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Se digo Avé-Maria





















Se digo Avé Maria,
nesta palava saúdo aquela Senhora, que o é de toda a saúde, e sem cujo patrocínio ninguém alcançou a eterna.

Se digo cheia de graça,
nesta palavra me persuado que a graça foi a sua maior felicidade e que todas as felicidades sem graça são a suma miséria.

Se digo o Senhor é contigo,
esta palavra me anima a estar sempre com Deus por amor e obediência e jamais por nenhum caso me apartar dele.

Se digo benta és tu entre as mulheres,
esta palavra me traz à memória a maldição de Eva, e a de quantos por causa de suas filhas têm sido malditos.

Se digo bento é o fruto do teu ventre, Jesus,
esta palavra me avisa que assim como aquele fruto bendito foi o Salvador, assim o de todas as minhas obras deve ser a salvação.

Se digo Santa Maria Mãe de Deus,
esta palavra fiado em sua benignidade, me prostra a seus soberanos pés para perpétuo escravo de tal Senhora e filho de tal Mãe.

Se digo roga por nós pecadores,
esta palavra me prega que o que sobretudo devo procurar com maior ânsia e com maior contrição, é o perdão dos pecados.

Se finalmente digo agora e na hora da nossa morte,
esta palavra acaba de me desenganar que despreze e não faça caso de quanto acaba com a vida, e que a minha vida seja tal como quisera ter vivido na morte, e que esta pode ser nesta mesma hora.

(Sermão 22 Rosa Mística do Pe. António Vieira)




Alguém perfeito


Hoje é dia de cantar ao Senhor um cântico novo porque Ele fez maravilhas.

A maior maravilha que Deus fez foi Maria, Imaculada na sua Conceição.

Ela foi perfeita nos inícios.
Foi perfeita nos entretantos.
Foi perfeita nos finalmentes.

Olhando para Maria, Imaculada na sua Conceição, aprendamos a imitá-la e a progredir na santidade.