domingo, 13 de janeiro de 2019

Água Benta Batismal


Ano C – Domingo do Batismo do Senhor

Terminadas as solenidades de Natal, iniciamos hoje o tempo comum com a festa do Batismo do Senhor como primeiro domingo deste tempo.
Começamos com a lembrança de que todos nós somos batizados.
Celebrar o Batismo do Senhor é recordar que Jesus foi batizado, mas sobretudo recordar que nós fomos batizados em seu nome.
O Batismo do Senhor tem esta dupla abrangência – É do Senhor porque Ele foi batizado; é do Senhor porque fomos batizados por ele.

















Perguntei aos meus paroquianos:
- Porque é que há uma pia com água benta junto à porta da igreja.
- É para cada um, ao entrar, purificar-se dos seus pecados, e fazer a oração em paz e pureza de coração. É por isso que se diz:

Fiquem cá pecados meus!
A água benta me lava assim
Que eu vou ali ver a Deus
Para Deus me ver a mim.

Questionei uma vez mais:
- E à saída da igreja não é necessário benzer-se com água benta?
Uns diziam sim, outros não, e alguns que não sabiam. Concluí então:
- Eu acho que a água benta no fundo da igreja é mais proveitosa para a saída para que cada um se lembre que sai dali como alguém que passou pela água batismal. Ao voltar para casa, para o trabalho, para o mundo, é preciso lembrar-se sempre de que se é batizado, cristão empenhado.

sábado, 12 de janeiro de 2019

I semana comum


Ofício de Leitura

Domingo do Batismo do Senhor
1ª – Vou fazer de ti a luz das nações, para que a minha salvação chegue até aos confins da terra.
2ª – Depois Jesus sobe das águas, elevando consigo o mundo inteiro, e vê abrirem-se os Céus de par em par, aqueles Céus que Adão tinha fechado para si e para a sua posteridade.

Santoral 13/01
Estou bem consciente, Deus Pai Omnipotente, de que a Vós devo consagrar a mais importante tarefa da minha vida, de modo que todas as minhas palavras e todos os meus pensamentos falem de Vós.

2ª feira
1ª – Deus fez chover a ciência e a inteligência e exaltou a glória dos que a possuem.
2ª – Senhor, salvai os que entre nós estão atribulados, tende piedade dos humildes, levantai os caídos, ajudai os necessitados, curai os enfermos, convertei os transviados, saciai os famintos, libertai os prisioneiros, fortalecei os fracos, animai os pusilânimes.

3ª feira
1ª – Os bens e os males, a vida e a morte, a pobreza e a riqueza, tudo vem do Senhor.
2ª – Nisto consiste precisamente o vício: usar mal, e contra os preceitos divinos, das capacidades que o Senhor nos concedeu para fazer o bem.

4ª feira
1ª – Vinde a mim, todos vós que desejais e saciai-vos com os meus frutos, porque pensar em mim é mais doce do que o mel…
2ª – O conhecimento do Pai é o Filho, e o conhecimento do Filho está no Pai e é revelado pelo Filho.

5ª feira
1ª – Ao romper da aurora o sol anuncia: Como é admirável a obra do Altíssimo! Contempla o arco-íris e bendiz Aquele que o criou.
2ª – O Pai de Cristo, santíssimo e imensamente superior a todas as coisas criadas, como ótimo timoneiro, pela sua sabedoria e pelo seu Verbo, governa, dispõe e executa sempre todas as coisas de modo conveniente.

Santoral 17/01
Todos os habitantes do lugar e os homens honrados que tratavam com Antão, vendo um homem assim, chamavam-lhe amigo de Deus; e uns amavam-no como filho, outros como irmão.

6ª feira
1ª – Quem já O viu, para poder falar d’Ele? Quem é capaz de O louvar como Ele merece?
2ª – Num coro composto por muitas pessoas diferentes sob a regência do diretor, cada um canta segundo a própria natureza e capacidade: o homem com voz de homem, a criança com voz de crianças, a mulher com voz de mulher, o adolescente com voz de adolescente; e no entanto de todo o conjunto resulta uma só harmonia. De maneira semelhante acontece na criação em geral.

Sábado
1ª – Façamos o elogio dos homens ilustres, dos nossos antepassados através das gerações. O Senhor realizou neles a sua glória, a sua grandeza desde sempre.
2ª – Imitemos o Criador e Senhor de todas as coisas, que se alegra com as suas obras.



quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Primeiro Sermão de Jesus


5ª feira depois da Epifania






















Proclamação:
Jesus voltou para a Galileia com a força do Espírito.
E começou a dizer: O Espírito está sobre mim…
- e me faz anunciar a boa nova aos pobres,
- a proclamar a redenção aos cativos,
- a dar vista aos cegos,
- a restituir a liberdade aos oprimidos
- e a proclamar a graça de Deus.

Reflexão
O Espírito é força.
O Espírito Santo é a força que faz mover Jesus.
Assim é Deus uno e trino:
Deus Pai, Deus Filho e Deus Força ou Espírito.

Aplicação
O Espírito Santo é a força de Deus que habita em nós.
Essa força impele-nos a continuar as obras de Jesus.
Essa força não está ao nosso serviço, mas ao serviço dos outros.
Sem essa força nada conseguimos.

Conclusão
Não há ninguém mais forte e mais poderoso do que um Cristão, pois tem a Força de Deus, ou seja, o Espírito Santo no seu coração.

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Quantos pães temos?


3ª feira – Depois da Epifania












Já tive a oportunidade de visitar o local do episódio evangélico de hoje – a multiplicação dos pães e dos peixes.
Aí é costume perguntar aos visitantes quantos pães veem no cesto representado no mosaico do chão da igreja edificada precisamente nesse local.
Todos respondem, como é óbvio, que contam 4 pães dentro do cesto.
Mas isso não condiz com o relato do Evangelho que fala em 5 pães.
Então como se explica a discrepância?
É que o outro está por baixo, dentro do cesto e não se vê? Não!
É porque o artista não tinha pedras suficientes para colocar mais um pão no mosaico? Não!
É porque o evangelista não soube contar bem? Não!
Foi uma distração do artista do mosaico? Não!
Porque alguém roubou o 5º pão como relíquia? Não!
É porque o 5º Pão é o próprio Jesus, o Pão descido do Céu.
Estão 4 pães no cesto e o 5º Pão deve ser encontrado sobre o Altar…é a Eucaristia, é o próprio Jesus cujo Corpo comungamos.
Esta simples obra de arte histórica é assim uma eloquente declaração de fé em Jesus Eucaristia.
















A igreja bizantina foi construída neste local entre os séculos V e VI. É desse tempo o mosaico que representa o cesto dos quatro pães e dos dois peixes, localizada ao pé do altar, perto da pedra onde colocaram os pães para Jesus abençoar. Na mesma localidade, Tabgha, bem junto ao mar da Galileia, realizaram-se também outros 2 episódios evangélicos: o Sermão da Montanha e o Primado de Pedro.



segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Natal (66)























Jesus veio a este mundo 
       para nos levar para o seu mundo.
O presépio está entre o céu e a terra, 
       entre estes dois mundos.
Jesus desceu à terra 
       para nos fazer subir ao céu com Ele.
O seu percurso é também o nosso percurso:
       descer até aos irmãos e subir até Deus.

Olhemos para o Céu 
       para dar Glória a Deus.
Olhemos para a terra 
       para construir a Paz.





















domingo, 6 de janeiro de 2019

Afinal eram Rainhas

















Afinal os Reis Magos não eram homens, mas sim mulheres disfarçadas. Eram Baltazara, Gaspara e Melchiora, mais conhecidas na sua terra como Zara (não a da marca), Gaga (não a Lady) e Merche (não a Romero). Viviam em regiões distantes, mas visitavam-se assiduamente para atualizar receitas, modas, mexericos e outros conhecimentos. Num desses encontros combinaram explorar o mistério da Estrela que, segundo o que ouviram dizer, anunciava o nascimento de alguém muito importante… Mas, sendo mulheres, como poderiam sair dessas regiões sem serem malvistas e como atravessar lonjuras sem serem incomodadas? Decidiram então vestir-se de homens, mudar o nome para masculino, montar uns camelos e pôr-se a caminho.
Estavam ansiosas por encontrar esse Menino anunciado pela Estrela. Trouxeram na bagagem várias ofertas, mas isso era só para despistar, pois só queriam abraçá-lo.
Ao chegarem a Jerusalém procuraram no palácio real o novo rei que acabara de nascer. Quase foram denunciadas por Herodes que estranhou o timbre da voz dos seus visitantes bem como a pele macia das suas mãos… Ele achou estranho, mas não quis meter-se com os jeitos ou trejeitos pouco masculinos desses estrangeiros. Elas ficaram tristes ao ver a perturbação de toda a cidade, a começar por Herodes. Este sentia-se ameaçado por essa criança, a cidade sentia-se protelada a favor de uma cidadezinha da periferia… Só ficaram aliviadas quando deixaram Jerusalém e a Estrela começou a brilhar com mais intensidade e o seu coração a palpitar com outra emoção.
Chegaram enfim a Belém. Encontraram o Menino que tanto desejaram, sentado no melhor trono que podia existir, ou seja, no colo da sua mãe. Apresentaram-se como sendo Baltasar, Gaspar e Melchior, Reis Magos vindos da Índia, Pérsia e Arábia. Ajoelharam-se e para não perderem o disfarce ofereceram-lhe ouro, incenso e mirra que nas suas mãos e gostos femininos não eram mais que cordões, anéis e braceletes de ouro (ou não fosse Ele verdadeiro rei), várias peças de tecido, turbantes, lençóis, embebidos em óleo de mirra (ou não fosse Ele verdadeiro homem) e vários frascos de incenso e outros perfumes, bem ao gosto das mulheres (ou não fosse Ele verdadeiro Deus).
A Mãe de Jesus, que tinha um olhar perspicaz, percebeu logo no seu coração a camuflagem dessas Magas Rainhas e sem hesitação passou-lhes o Menino para os seus braços… e então foi o delírio! Tinham feito tudo isto só para poder abraçá-lo e eis que a sua bendita mãe percebeu sem pedir explicações (ela é de facto Bendita entre as mulheres).
E no meio de tanta felicidade, encheram-se de coragem, libertaram-se dos seus disfarces masculinos e começaram a fazer o serviço doméstico, segundo o seu costume e sensibilidade.
Quando o menino teve de refugiar-se no Egipto, as três Rainhas Magas voltaram para as suas terras. E disseram que iam regressar por outro caminho… pelo caminho da felicidade, da verdade e da plena realização. De facto regressaram por outro caminho para não se encontrarem outra vez com Herodes e porque vieram como reis e voltaram como rainhas, porque tinham encontrado Aquele que tem o poder de mudar tudo e todos, Jesus Cristo Nosso Senhor. Amén!




Epifania do Senhor


Ofício de leitura

Solenidade da Epifania
1ª – Vê como a noite cobre a terra e a escuridão os povos. Mas sobre ti levanta-se o Senhor, e a sua glória te ilumina.
2ª – Representados pelos três Magos, adorem todos os povos o Autor do universo e seja Deus conhecido em todo o orbe da terra.

2ª feira
1ª – Ei o meu servo, a quem eu protejo, o meu eleito, enlevo da minha alma.
Ou – Como a terra faz brotar os germes e o jardim germinar as sementes, assim o Senhor fará brotar a justiça e o louvor diante de todas as nações.
2ª – Com o incenso reconhecem-no como Deus, com o ouro aceitam-no como Rei, com a mirra exprimem a fé naquele que havia de morrer.

Santoral 07/01
Longe de vós pertencerdes ao número daqueles em cujas casas há sossego e descanso, que vivem sem preocupações e não são visitados pela vara do Senhor.

3ª feira
1ª – Entrai, entrai pelas portas, abri caminho ao povo; aplanai, aplanai a estrada, retirai dela as pedras, levantai estandarte para os povos.
2ª – Se o homem se tornou imortal, também será divinizado.

4ª feira
1ª – Vou recordar os benefícios do Senhor, os feitos gloriosos do Senhor, tudo quando ele fez por nós.
2ª – O sol da justiça purifica-se no Jordão, o fogo é submergido na água. Deus é santificado pelo ministério de um homem.

5ª feira
1ª – Vós Senhor sois nosso Pai, nós o barro de que sois o Oleiro; somos todos obra das vossas mãos.
2ª – O Pai declara ter gerado hoje Aquele que era Deus, dele mesmo gerado antes de todos os séculos, para significar que nos recebia em Cristo como filhos adotivos. Efetivamente, em Cristo, enquanto homem, se compreendia toda a natureza humana.

Santoral 10/01
Os sacerdotes atingirão a santidade da maneira que lhes é própria, se exercerem as suas funções sincera e infatigavelmente no espírito de Cristo.

6ª feira
1ª – Não se fatigarão inutilmente… porque serão uma geração de benditos do Senhor. Antes que eles chamem, eu lhes responderei; e, estando eles ainda a falar, já os terei atendido.

Sábado
1ª – A mão do Senhor manifestar-se-á aos seus servos e a sua indignação aos seus inimigos.
2ª – Cristo veio à terra para se unir em matrimónio com a Igreja, mediante a Encarnação.