quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Viagens missionárias


Depois das 2 primeiras viagens missionárias de Maria – da Galileia à Judeia e de Nazaré a Belém – apresentamos hoje as próxima 5 viagens:

- De Belém a Jerusalém – Na Apresentação de Jesus, em que o profeta Simeão lembra que uma espada de dor trespassaria o coração de Maria. A partir daí ela foi missionária através do sofrimento.

- De Belém ao Egipto – é uma viagem de desterro, de proteção ou defesa. A dor e a aflição continua.

- De casa ao Templo - Qualquer ação missionária leva ao encontro com Jesus na casa do Pai.

- De Nazaré a Caná – uma curta viagem que manifesta que a alegria, simbolizada no vinho abençoado, é uma autêntica missionária.

- De Nazaré a Jerusalém até ao Monte Calvário. É a compaixão da Mãe na Paixão do Filho, pois a misericórdia e a missão é sempre redenção.

Conclusão:
Estas viagens missionárias de Maria ensina-nos a ser missionários com e como ela:
Somos missionários pelo nosso sofrimento ou dor, ou seja, o nosso sofrimento é que é o missionário.
Somos missionários pela nossa alegria, isto é, a nossa alegria é que se torna missionária.
Somos missionários pela nossa misericórdia, ou melhor, a nossa misericórdia é que é missionária.
Um missionário nunca vai sozinho, vai sempre com Cristo ou este vai com ele: aliás não sei se era Maria que acompanhava o seu Filho ou se era este que fazia companhia à sua mãe.

Há ainda uma outra viagem, que não sabemos precisar em quando, nem onde...
Só sabemos que foram dizer a Jesus:
- Tua mãe e teus irmãos estão lá foram e pretendem ver-te e falar contigo...
É uma viagem que nos ensina que qualquer missão é sempre um encontro com Jesus. Numa viagem missionária, nós não levamos apenas Jesus. Não também queremos encontrarmo-nos com Jesus que já está lá.



quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Maria missionária


Viagens missionárias de Maria
ou Maria, a primeira missionária

No tríduo de preparação para a festa de Nossa Senhora da Misericórdia, o tema é missionário, como não podia deixar de ser, neste ano missionário.
Contemplamos as viagens missionária de Maria.
Hoje foram as duas primeiras viagens:
A primeira da Galileia à Judeia em que Maria vai apressadamente ajudar levando nesse encontro o Filho no seu seio. De facto todo o missionário parte com determinação (só se faz depressa aquilo que gostamos ou acreditamos); toda a ação missionária é caridosa e generosa; cada missionário faz parte de uma família; o fim missionário é uma oração de louvor.
A segunda viagem é de Nazaré a Belém. Todo o missionário é Cristóforo, isto é, portador de Cristo – levar Cristo aos outros e os outros a Cristo. Só assim se fará luz nas trevas deste mundo, pois cada missão é um novo Natal.

Resumindo:
Queremos aprender a ser missionários como Maria:

- Ser missionário com os pés = ser enviado é partir, sair de si mesmo

- Ser missionário com os joelhos = rezar pelas missões, a nossa oração vai mais longe do que os nossos pés

- Ser missionário com as mãos = ajudar as missões, continuar as mãos de Cristo

- Ser missionário com o coração = amar, apreciar e entusiasmar-se com as missões

- Ser missionário com o exemplo = contagiar os outros com o seu comportamento


terça-feira, 17 de setembro de 2019

Não chores


3ª feira – XXIV semana comum

Jesus e as lágrimas
As lágrimas e Jesus

Jesus disse à viúva de Naim: Não chores.

Jesus chorou:
- Ao aproximar-se de Jerusalém.
- Ao chegar ao túmulo do seu amigo Lázaro.
- Na agonia do Monte das Oliveiras.
Jesus chorou para mostrar que compreende os que choram porque sabe o que é chorar.

Jesus aproximou-se dos que choravam:
- Ao encontrar-se com a viúva de Naim.
- À mesa quando uma mulher chorou banhando os seus pés.
- No caminho do Calvário quando se cruzou com as mulheres de Jerusalém que choravam ao vê-lo de cruz às costas.
- Junto ao túmulo onde Maria chorava a sua ausência.
Jesus aproximou-se dos que choravam para que todos aqueles que choram não tenham medo de se aproximar dele.




Ações de Jesus


3ª feira – XXIV semana comum

No episódio do Evangelho de hoje:
- Jesus passava junto à porta da cidade
- Viu uma viúva que ia a sepultar seu filho único
- Compadeceu-se dela
- Disse: não chores
- Tocou no caixão
- Falou ao morto
- Entregou-o à mãe














Figura do portal da diocese de Uberlândia

As mesmas ações nos faz o Senhor.
Também ele:
- Passa por nós, cruza-se connosco
- Vê-nos onde quer que estejamos
- Tem compaixão de nós
- Consola, conforta-nos nos nossos sofrimentos
- Toca em nós, sobretudo no nosso coração
- Fala connosco, estimula-nos
- Oferece-nos, torna-nos oferta agradável a Deus.

Qual destas 7 ações estou a necessitar mais hoje?
Estarei atento pois Jesus nunca falha, nunca falta.

Ver também:



XXIV semana comum


Ofício de leitura

Domingo
1ª – Como o arco-íris, que aparece nas nuvens em dia de chuva, assim era o esplendor que O cercava. Era a imagem da glória do Senhor.
2ª – Somos cristãos e somos bispos, Somos cristãos para nosso proveito, somos bispos para vosso proveito. Pelo facto de sermos cristãos, devemos pensar na nossa salvação; pelo facto de sermos bispos, devemos preocupar-nos com a vossa.

2ª feira
1ª – Filho de homem, fiz de ti uma sentinela para a casa de Israel: quando ouvires uma palavra da minha boca, tu os advertirás da minha parte.
2ª – Que mais diremos sobre estes pastores que não exigem o leite do rebanho? Devemos afirmar que são mais misericordiosos que os outros, ou melhor, que desempenham mais generosamente o dever pastoral da misericórdia.

3ª feira
1ª – Encontrando-me eu sentado em minha casa na companhia dos anciãos de Judá, a mão do Senhor Deus poisou sobre mim.
2ª – O povo nunca poderá recompensar devidamente aqueles que por caridade lhe ministram o Evangelho. A melhor recompensa que podem esperar os pregadores do Evangelho é a salvação daqueles que os escutam.

4ª feira
1ª – Dar-lhes-ei um coração novo e infundirei neles um espírito novo; arrancarei do seu peito o coração de pedra e dar-lhes-ei um coração de carne.
2ª – Se considerais o que eles são por si mesmos, reconheceis que são simplesmente homens. Mas se os cobris de honras, é como se cobrísseis a sua fragilidade.

5ª feira
1ª – Filho do homem, tu habitas no meio desta gente rebelde. Têm olhos para verem e não veem, ouvidos para ouvirem e não ouvem, é uma geração de rebeldes. Tu filho de homem, prepara a tua bagagem de exilado e parte para o exílio em pleno dia, à vista deles. Sairás deste lugar para outro à vista deles. Talvez assim reconheçam que são gente rebelde.
2ª – Mesmo a ovelha forte, ao ver que o pastor habitualmente vive mal, afastando o seu olhar dos caminhos do Senhor e fixando-se apenas nos critérios humanos, começa a pensar em seu coração: Se o meu superior vive assim, quem sou eu para seguir um caminho diferente?

6ª feira
1ª – Procederei contigo como tu procedeste, pois faltaste ao juramento e quebraste a aliança. Mas lembrar-me-ei da aliança que fiz contigo nos dias da tua juventude e estabelecerei contigo uma aliança eterna. Tu recordarás a tua má vida e sentirás vergonha…
2ª – Retira da areia a tua construção, edifica sobre a pedra; quem deseja ser cristão tenha o seu fundamento em Cristo. Considere os sofrimentos humilhantes de Cristo; olhe para aquele que, sem pecado, pagou o que não devia…

Sábado
1ª – Será porventura a morte do pecador que me agrada? Não é antes que se converta dos seus maus caminhos o seu mau proceder e que viva?
2º - Anunciar e predizer os sofrimentos futuros é dar força a quem é débil; prometer a misericórdia de Deus, que assegura a vitória sobre as tentações é curar as feridas…

Santoral

15/9
O martírio da Virgem é recordado tanto na profecia de Simeão como na história da paixão do Senhor. Não vos admireis de que Maria seja chamada mártir na sua alma.

16/9
Tivemos conhecimento do glorioso testemunho da vossa fé e fortaleza, e a glória da vossa pública confissão de fé deu-nos tanta alegria que nos consideramos participantes e companheiros dos vossos méritos e louvores. De facto, se formamos todos uma só Igreja, se temos um só coração e uma só alma, qual é o sacerdote que não se congratula com a glória de outro sacerdote, como se fosse própria, e qual é o irmão que não se alegra com a felicidade dos seus irmãos?

17/9
Que há de mais fácil, mais suave e mais doce do que amar a bondade, a beleza e o amor? E tudo isto sois Vós, Senhor meu Deus.

19/9
Apesar de amarmos desinteressadamente e de apascentarmos gratuitamente as suas ovelhas, como podemos esperar uma recompensa? Como é possível conciliar estas duas coisas: Apascento, porque amo gratuitamente e espero a recompensa porque apascento? De modo nenhum seria possível, de modo algum esperaria a recompensa daquele que é amado gratuitamente, se a recompensa não fosse aquele mesmo que é amado.

20/9
Mais valeria não ter nascido do que receber a graça do Senhor e pecar conta ele. O Senhor faz do mundo o seu campo: nós somos o seu arroz; o adubo é a graça; mediante a Encarnação e Redenção ele nos rega com o seu sangue para que possamos crescer e chegar à maturidade.

21/9
1ª – A cada um de nós foi concedida a graça, na medida em que recebeu o dom de Cristo.
2ª – Tendo ouvido a sua voz, nós abrimos-lhe a porta para o receber quando damos o nosso livre assentimento às suas advertências interiores e pomos em prática o que sabemos ser sua vontade.


quinta-feira, 12 de setembro de 2019

O amor tudo apaga


5ª feira – XXIII semana comum

Amor com amor se paga, diz a sabedoria popular, como se o amor só pudesse pagar apenas o amor.
Para Jesus, o amor não paga só o amor.
O amor paga e apaga tudo:
Paga o amor,
Paga o ódio,
Paga a indiferença,
Paga a incompreensão.

Oferecer a outra face é pagar o bem com o bem e pagar o mal com o bem, porque o bem deve pagar tudo e tudo deve apagar.



quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Felizes vós porque...


4ª feira – XXIII semana comum

Jesus erguendo os olhos para os discípulos disse:
- Felizes vós os pobres porque…

1ª – As bem-aventuranças é o auto-retrato de Jesus. Ele ao proferi-las olha para os seus discípulos como que a dizer que as vês estampadas no rosto dos seus amigos. Jesus é alguém feliz que vê os outros felizes porque feitos à sua imagem e semelhança.
2ª – Jesus olha para os seus discípulos e vê gente feliz – felizes vós! Vê gente com vocação e com jeito para alcançar a felicidade. Jesus repara não tanto naquilo que eles eram, mas naquilo a que eram chamados a ser ou que haviam de ser.
3ª – A felicidade ou a bem-aventurança é ser como Jesus. Só é feliz quem for igual a Jesus. Jesus é feliz e quer-nos felizes.

À margem:
Quem é capaz de condensar todas as bem-aventuranças numa só?
Vou tentar:
Bem-aventurados os que são felizes apesar das circunstâncias.